Transporte público a fórmula para melhorar a mobilidade urbana brasileira

Venho falando já algum tempo nos comentários e nas opiniões que emito através do programa Mobilidade Urbana, que vai ao ar através da rádio Cariri que o trânsito e o transporte público ficaram esquecidos cerca de vinte anos no Brasil. Nosso país chegou a um momento que precisa ter o espaço de suas cidades reordenado.

Outra questão primordial dentro dessas discussões para melhorar o tráfego e a mobilidade nos municípios brasileiros é o uso racional do veículo particular. As pessoas precisam aprender que o carro próprio ou de passeio  deve ser utilizado só e somente só, em ocasiões especiais e que no dia a dia os deslocamentos corriqueiros, casa trabalho, trabalho casa, por exemplo, devem ser feitos através do sistema público de transporte coletivo.

Muitas vezes se escuta que o transporte público coletivo não cumpre horário- acredito ser este o principal gargalo dos consórcios que operam em Campina Grande-, mas como melhorar esse ponto, já detectado como falho? Acredito que todos os leitores já tenham a resposta, simples, rápida e direta que o ônibus só vai trafegar melhor e mais rápido quando for oferecido a ele vias com bom pavimento e corredores e faixas exclusivas para o referido transporte, não existe mágica.

Em Campina Grande temos uma frota boa, com uma média de vida de seis anos, esforços não são evitados no sentido da gradativa melhoria dos veículos, operadores passam por constante reciclagem profissional, sem contar que o sistema regulamentado de transportes recolhe impostos, garante as gratuidades para idosos e deficientes e a meia passagem para o estudante, cumprindo com as responsabilidades sociais, tudo isso para concorrer em desigualdade com o transporte clandestino que nada disso oferece, além de contribuir com o aumento dessa desordem urbana.

Recentemente a Câmara de Vereadores realizou uma audiência pública para tratar da questão do transporte clandestino, fato positivo do ponto de vista de que o problema existe e que é grave, agora quando se fala em regulamentação de mais transportes, as autoridades precisam de posições eminentemente técnicas, ações dentro do achismo ou de emoções só vão piorar o que já é grave.

Que o assunto seja debatido por todos os segmentos sociais, poderes públicos, consórcios operadores do sistema permissionário e concessionário do transporte público e por toda a sociedade, para que dentro desses estudos e discussões cheguem a indagações desta natureza: o que a cidade tem em termo de transporte público e o que ela absorve para oferecer a população um serviço de qualidade e eficiência? Chegando a resposta pra este tema, já se tem dado um grande passo pra resolutividade do problema, o que se fizer de diferente é apenas palavras e discursos bonitos para impressionar as massas que sempre servem de manobras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *