Prefeitura pode pagar salário de motoristas e acabar com greve no transporte público em Vitória/ES

Pelo 13° dia consecutivo, os moradores de Vitória ficaram sem contar com as linhas do transporte coletivo municipal, o popular ‘Verdinho”. Em assembleia realizada na manhã de ontem, funcionários da viação Tabuazeiro decidiram só retornar aos trabalhos após garantias de que os salários atrasados há quase três meses serão pagos. Para tentar pôr fim ao impasse, a Secretaria de Transportes. Trânsito e Infraestrutura Urbana de Vitória (Setran) afirmou que vai buscar viabilizar a aquisição, por antecipação de crédito, dos vales-transportes dos servidores, proposta que esta em analise na Procuradoria-Geral do Município.

O custo desse adiantamento seria de pouco mais de R$ 450 mil, e que, segundo a proposta do Ministério Público do Trabalho, deve ser usada integralmente para abater no valor de salários e benefícios atrasados aos rodoviários. Segundo dados apresentados na
audiência de conciliação da última segunda-feira, o valor da folha de pagamento em atraso já totaliza RS 1,5 milhão. referentes a mais de dois meses de salários e benefícios atrasados para os 390 motoristas e cobradores da Viação Tabuazeiro. “A Setran está empenhada para que um acordo seja estabelecido prontamente e que as alternativas apresentadas na audiência já estão sendo avaliadas pelo município”, afirmou a secretaria, em nota.

Para completar o pagamento dos débitos Outra proposta apresentada durante a audiência é o compromisso da Viação Tabuazeiro de reservar 80% do valor arrecadado após o retorno dos trabalhadores para ser direcionado ao pagamento dos salários atrasados o que deveria ser realizado a cada 8 dias Os grevistas afirmam que só vão interromper a paralisação após ser oficializado por parte da prefeitura o adiantamento dos recursos para pagamento de salários e benefícios, além da apresentação de um plano de pagamento por parte da empresa.

Segundo o Tribunal Regional do Trabalho, ainda não existe data para uma nova audiência de conciliação. De acordo com a assessoria do órgão, ainda está correndo a multa de R$ 200 mil por dia de descumprimento da ordem de retorno ao trabalho. Com salários atrasados, mais de 30 funcionários demitidos, 107 afastados por estarem no grupo de risco, motoristas e cobradores do transporte coletivo em Guarapari se reuniram na frente da garagem da empresa ontem para debaterem sobre as medidas que podem ser adotadas na recuperação da companhia, e fizeram até urna oração no portão da garagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *