Em 10 dias, biometria facial em ônibus de Caxias do Sul identifica 170 usos indevidos

Os cartões identificados com uso irregulares são suspensos por um ano

ALEXANDRE PELEGI

Várias cidades brasileiras têm implantado a biometria facial em seus sistemas de transportes coletivos para detectar e impedir fraudes no uso de gratuidades, uma das fontes de prejuízos ao setor de mobilidade urbana.

Em Caxias do Sul (RS) o sistema de biometria facial passou a ser instalado nos ônibus do transporte coletivo urbano em novembro deste ano nos ônibus da Viação Santa Teresa, e em apenas 10 dias já identificou 170 usos inadequados de benefícios – como isenções a idosos, pessoas com deficiência e desconto a estudantes.

O bloqueio dos cartões com uso indevido iniciou no dia 06 de novembro. Dos 132 benefícios suspensos, até o dia 13 de novembro 77,65% são de cartões estudantes. Os demais, 7,06% são de idosos a partir de 60 anos; 8,24%, de idosos a partir de 65 anos e 7,06% de pessoas com deficiência (PCD).

A biometria facial capta a imagem do rosto do usuário, ao passar na catraca, mapeando a geometria e as proporções da face, fazendo um comparativo com a foto do usuário cadastrado como gratuito ou estudante. Os cartões identificados com uso irregulares são suspensos por um ano.

Benefícios suspensos Escolar Idoso 60 Idoso 65 PCD Total
Número 132 12 14 12 170
Percentual 77,65% 7,06% 8,24% 7,06% 100%

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *